Imagem google

DÍLI, 28 de setembro de 2021 (TATOLI) – A Organização Não Governamental Oxfam Timor-Leste recomendou ao Governo que crie condições básicas de realojamento para as vítimas das cheias ocorridas no passado 4 de abril.

“Quando o Executivo construir habitações, tem de criar alojamentos com água canalizada e que estejam próximos dos centros de saúde e mercado, por exemplo”, disse hoje a assessora de Mulheres e da Terra da Oxfam em Timor-Leste, Inês Martins, em Hudi Laran.

Segundo a responsável, o Governo identificou Hera-Hali Dolar, Metinaro, Beduku, Tíbar e Mercado de Comoro como locais de alojamento das vítimas.

Inês Martins recordou que a Oxfam se encontrou com o Executivo para que a sociedade civil possa compreender e contribuir para o Estado no processo de realojamento.

A responsável sugeriu ainda ao Governo ações de informação junto da população sobre as leis números 13/2013 e 8/2017, que preveem a expropriação e as áreas de riscos de desastres naturais para assegurar o direito dos residentes, principalmente das pessoas mais vulneráveis.

De acordo com os dados da Secretaria de Estado da Proteção Civil, 131 agregados familiares continuam a viver em seis centros de acolhimento –  35 em Dom Bosco, 25 na capela Bedic, Hera, 14 na igreja de Hera, 41 na sede de suco de Manleuana, nove num ex-restaurante de Metiaut e sete no Rate Ain-Canossa.

Jornalista: Jesuína Xavier

Editor: Zezito Silva

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here